(27) 3328-0704
(27) 9.9907-0247


(27) 3328-0704
(27) 9.9907-0247


  • O SINDICATO
  • CONVÊNIOS
  • ATENDIMENTO JURÍDICO
  • IMPRENSA
  • ACORDOS E CONVENÇÕES
  • PUBLICAÇÕES
  • EDITAIS


Atitude de Cunha de proibir evento da CUT na Câmara é ´inaceitável e constrangedora´

Publicado em 03/09/2015

Na opinião de Henrique Fontana, impedir a programação da central, que apresentaria sua agenda legislativa no Salão Nobre, "é só mais um passo para mostrar que ele não tem condição de dirigir a Câmara"

São Paulo – Deputados federais do PT demonstraram indignação com a atitude do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, de impedir evento da CUT programado para a tarde de hoje (2), no qual a central apresentaria sua agenda legislativa com a pauta dos trabalhadores. “É uma discriminação inaceitável. O acesso ao Parlamento para apresentação de propostas de agenda, de debate, tem de ser universal. O arbítrio do presidente não pode definir quem entra, quem não entra, salvo em situações limite – por segurança”, diz o deputado Henrique Fontana (PT-RS).

Para o parlamentar, o presidente usa a prerrogativa que tem de permitir ou não manifestações ou eventos “de forma bastante seletiva e parcial”.

“Estou constrangido. Pedi desculpas à CUT por essa postura desrespeitosa à classe trabalhadora”, afirma Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho (PT-SP).

O evento que ocorreria na Câmara foi realizado no Senado, onde a agenda foi apresentada. Vicentinho participou do evento. O parlamentar paulista acredita que Eduardo Cunha está perdendo aliados pela maneira autoritária como está conduzindo a presidência.

Para Fontana, com a atitude de proibir o evento da CUT, Cunha mostra "a visão autoritária" que tem na gestão da presidência da Câmara. "Mas tem outras coisas, aliás mais graves do que esta, que já deveriam levar ao afastamento dele. Do meu ponto de vista, (a atitude de hoje) é só mais um passo para mostrar que ele não tem condição de dirigir a casa."

O deputado gaúcho refere-se à denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encaminhada ao Supremo Tribunal Federal, na qual Cunha é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Lava Jato.

Fontana diz que é “público e notório” que Eduardo Cunha usa o cargo que tem para “pressionar e usar a estrutura em sua própria defesa no processo que está respondendo no STF a partir da denúncia do procurador-geral da República”.

Fontana afirma que Eduardo Cunha ativou a Advocacia-Geral da União (AGU), prerrogativa que o presidente da Câmara tem, para cuidar da defesa dele próprio. “Ele tem essa prerrogativa para tratar de temas institucionais, não da defesa dele”, diz o deputado, o que é confirmado na acusação de Janot.

O procurador-geral afirmou, na acusação contra Cunha, que “o investigado solicitou a intervenção da advocacia pública em seu favor, sob o parco disfarce do discurso da defesa de prerrogativa institucional”, mas “o que se tem é um agravo em matéria criminal em que a Câmara dos Deputados figura como recorrente, mas cujo objeto só a Eduardo Cunha interessa”.


Atitude de Cunha de proibir evento da CUT na Câmara é ´inaceitável e constrangedora´

 

 
       

Visitas: 59

RBA




CONVÊNIOS


FALE CONOSCO



Envie-nos uma mensagem

(27) 3328-0704
(27) 9.9907-0247

LOCALIZAÇÃO



Rua Rua KL, 179, Quadra 46
Bairro Manoel Plaza - Serra/ES
CEP: 29160-432



OU CLIQUE AO LADO E ACESSE O MAPA